Coração de Pirata.

Tive uma certa fixação pela língua francesa por um tempo. Nada que se compare a minha paixão pelo alemão, mas era uma admiração que me fazia ver filmes, ouvir músicas e gostar de coisas que fossem ditas/sentidas nessa língua.

Foi nessas que conheci Coeur de Pirate. Lembro de ter visto em algum blog e de ter me encantado pela foto de uma moça toda tatuada, liiinda e que, para deixar tudo mais bonito, cantava.

A tal Coração de Pirata se chama Béatrice Martin e é canadense, tem a voz toda doce e músicas tão bonitinhas, mas tão bonitinhas que fazem doer qualquer dente por aí.

A primeira música que ouvi foi “Comme des Enfants”, que é nesse pega de fofurice, o clipe é lindíssimo e é daquelas coisas que te deixam com um sorrisinho de canto de boca.

Saber que a Béatrice vem de uma banda de hardcore me deixa um pouco mais confortável. Não sei porque, mas saber que há quem mude bruscamente o tipo de música que faz em lugares diferentes, me faz pensar que posso fazer isso também e que não há mal algum nisso. (Acho que o tal “trair o movimento” está falando em mim nos últimos tempos).

O que importa mesmo é fazer música que te mova. E acho que, independentemente de ritmos, a gente pode trazer o que nós somos em muitas músicas.

Mas…Voltando à Béatrice…

Algumas músicas trazem aquele pianinho feliz, que me lembram, é claro, a minha musa Kate Nash. E isso me faz gostar demais dela.

E nessa busca para postar, dou de cara com um bom encontro. Um cover de Cyndi Lauper. Que cairia bem em qualquer momento da vida, para quem, como eu, é fascinado pelos anos 80.

Acho que essa coisa do blog tem sido boa para me fazer redescobrir coisas que estavam perdidas nas pastas do computador do meu namorado/marido. E a tal Béatrice era uma delas. Que bom que a ressuscitei.